• 31 mar

    Tami entrevista Julyana – mãe de quase sete!

    Oii gente, tudo bem com vocês?

    Hoje o blog está muito legal, tive a honra de conhecer há algum tempo atrás essa querida, que logo logo será mãe de sete filhos. Julyana Mendes, é o tipo de mulher que nasceu pra ser mãe e ama esse ofício! rs

    Conversei com ela e ela contou tudo sobre as gravidezes, educação das crianças, o que pensa sobre rotina e disciplina, corpo, conselhos maternais, enfim…

    Me interesso muito por conversas sadias com mães experientes e inexperientes também, acredito que todas têm algo a nos ensinar e a Ju tem muito…

    Sei que a dúvida vai surgir e por isso já vou contar pra vocês que Julyana trabalha na empresa da família, e por conta disso acaba por ter horários mais flexíveis, porém ama o que faz e atualmente se divide entre mãe, esposa e engenheira.

    Bem-vindos a vida de Julyana, mãe de quase sete!

    julymendes

    TL – Você sempre sonhou em ser mãe? Como aconteceu sua primeira gravidez? Quantos anos você tinha?

    JM – Ser mãe sempre foi um sonho sim. Cuidei de primas mais novas, sempre me interessei pelo assunto. Engravidei de Pedro Henrique com 17 anos. Não foi planejada, mas fiquei feliz desde o primeiro minuto que descobri a gravidez! Pedro hoje tem 20 anos e é um menino do qual me orgulhei sempre!

    TL – E depois dele, o caminho abriu, né? Como aconteceram as outras?

    JM – Foi sim! Um caminho não planejado, mas amado!

    Oito anos depois de Pedro nascer, casei e planejamos a gravidez de Luís Felipe! Ele Nasceu em 2003 e foi uma curtição. A minha vontade de ter uma menina era grande e resolvemos que tentaríamos de novo 2 anos depois. Na consulta de 13 semanas, o médico me disse que viria uma menina. Fizemos a maior festa! Lembro que tínhamos uma viagem para Fortaleza e comprei vestidos para ela! Mas 1 mês depois descobrimos que era um menino. Chorei muito! Não teve como não sentir decepção, sabe? Mas lembro de me consolar de maneira quase que imediata quando soube que um amigo estava procurando um médico que fazia sexagem fetal. Ele tinha 3 meninas e queria um menino! Daí pensei: Vou ter a minha menina! E curti João Eduardo, lindo, que nasceu em julho de 2006.

    Em Janeiro de 2008 fomos procurar o famoso médico de São Paulo que fazia a escolha de sexo (até pouco tempo eu acreditava que isso não era feito por outros médicos por falta de tecnologia, mas hoje sei que é proibido pelo CRM). Saí da consulta medicada e já me preparando para o tratamento. Coloquei na primeira tentativa 2 meninas, mas não engravidei. Na segunda tentativa não quis arriscar e o médico (irresponsável) sugeriu que eu transferisse 3 embriões e disse que a minha chance de engravidar de trigêmeas seria menor que 1%. Resultado: Gravidez trigemelar de altíssimo risco porque tinha 3 cesáreas anteriores. Fiquei de repouso da semana 20 até a semana 28 quando elas nasceram. Ficaram 71 dias na UTI e hoje Maria Carolina, Maria Eduarda e Maria Fernanda têm 6 anos e são super saudáveis. Graças a Deus.

    TL – E, essa sua gravidez de agora? Foi planejada?

    JM – Foi sim! Não imaginava ter mais filhos, mas acontece que me separei faz 3 anos e casei de novo. Meu marido atual não tinha filhos e resolvemos que teríamos o nosso. Fiz um tratamento e estou grávida de mais uma Maria, Maria Beatriz. Estou com 26 semanas e muito feliz. Porém não tenho mais 20 anos, na realidade completo 39 esse ano e as coisas acabam sendo um pouco mais difíceis, até porque meu útero enfrentou 4 cesáreas já.

    TL – Ju, agora vamos entrar na parte comportamental que acredito ser o maior desafio das mães. Cada filho é um filho, como todas dizem mesmo? Você percebe que eles reagem diferente a mesma educação? Ou não?

    JM – Não tenho dúvida nenhuma disso. Tenho trigêmeas e elas conseguem ser diferentes em tudo! Tenho 6 filhos todos com suas questões. A criança já nasce com seu jeito. Uns mais calmos, uns mais agitados. Para você ter ideia fiz shantalla até 1 ano em todos eles, menos em Luís Felipe que nunca aceitou. Ficava inquieto, não deixava. E estou falando de um bebê de 1 mês! Hoje ele tem diagnóstico de TDAH e não sei se tem a ver, mas até hoje é mais agitado. Todos eles seguem uma rotina, mas uns aceitam, uns reclamam, outros negociam… Normal, cada um é um. E temos que reconhecer, aceitar e tratar essa individualidade.

    TL – Acredito que para dar conta de tantos é preciso estabelecer uma rotina bem rígida, tô certa? Como é feita a rotina na sua casa? Você e o marido pré determinam ou as crianças participam? Todos têm a mesma rotina, ou pela personalidade de cada um foi necessário estabelecer uma pra cada? Conta um pouquinho pra gente do seu dia a dia…

    JM – Rotina aqui é em casa é vital para a saúde mental da mamãe e para eles também. Não tem muita negociação não Tami! Sou um pouco general, sabe? Nunca bati nos meus filhos, mas eles sabem os limites e o que é determinado como rotina. O meu filho mais velho tem 20 anos, então esse não tem mais que seguir nossos horários. Mas os outros 5 sabem a hora de almoçar, de fazer dever, de dormir… Isso ajuda eles a terem uma segurança também.

    TL – Falando em marido, no seu caso, é super importante contar com mais uma ajuda. Ele te ajuda nessas coisas de rotina, escola, casa, enfim?

    JM – Meu marido super me ajuda quando está em casa. Ele é um paizão de todos. Brinca, cuida, dá banho, coloca na cama e prepara comida. Eu não sei fazer nada na cozinha, então ele toma a frente. Tenho a ajuda da minha mãe e de um tia também. A gente tem que parar de achar que precisa dar conta de tudo sozinha! Não damos mesmo!

    TL – Como as outras crianças estão lidando com essa gravidez? Tem alguma aparentando mais ciúmes? Ou em alguma outra vez aconteceu? Nesse caso, o que você faz? Como você explica a chegada de um novo membro?

    JM – Por enquanto está tudo bem. O que esta acontecendo é que as meninas que não vinham mais para a minha cama estão vindo. E é isso que eu acho que deve ser feito quando o ciúme acontece: acolher, entender. O que eu procuro explicar é que amor não diminui. Não dividimos entende? Eu não divido o amor por 6 e vou agora dividir por 7. O que acontece é que amo mais. Mas acolho o que precisar de mais atenção até as coisas se acalmarem.

    TL – Ju, conheço pessoas que têm o primeiro filho e se sentem tão exaustas que não conseguem programar o segundo, acabam tendo medo e até um pouco de preguiça de começar tudo de novo. Com você não acontece isso?

    JM – Tami, não tenho preguiça de começar de novo. Exausta estou sim! Sempre! Mas amo educar e como falei tenho muita ajuda. Se fosse eu sozinha, talvez não desse conta!

    TL – Você sempre está super em forma e após toda gravidez volta ao corpo normal super rápido, tem algum segredo pra isso? Faz algum tipo de ginástica durante os nove meses?

    JM – Sim! E nesse quesito conto com dois fatores: genética e alimentação. Eu até me exercito antes e depois das gestações, mas o que me ajuda mesmo é a genética. Tenho uma tendência a não ter barriga, a não ter estrias e isso é ótimo! Mas me alimento bem, não sou gulosa, como bem pouco na realidade. Vamos ver como vai ser nessa com 38 anos. E eu não sou daquelas que engordam 9 kgs. Engordei: 12, 13, 14 e 22 kgs em cada gestação. e nessa acho que vou engordar uns 15!

    TL – E algum segredo sobre disciplina para as mamães de primeira viagem? O que você ouvia falar que é super verdade e o que cai por terra depois que viramos mães?

    JM – Disciplina é tudo! Rotina. Quem manda na minha casa sou eu. Como assim seu filho de 3 anos escolhe a hora que vai dormir? Como assim seu filho de 6 anos escolhe a escola que vai estudar? Aqui não.
    Quanto as verdades que caem por terra, tem várias, mas acho que é a que mãe é infalível, está sempre disposta! Pode ter certeza que vai ter dia que vamos ter vontade de sair correndo e largar tudo. Mas é essa a nossa grande força! A gente não sai correndo e ainda dá conta! Somos guerreiras!

    TL – Qual foi o melhor conselho que te deram e que você dá pra todo mundo?

    JM – Li vários livros sobre maternidade e adoro. Mas tem uma frase que serve de norte para a educação que sigo com meus filhos e que li em um deles: “quando você faz pelo seu filho a mensagem que você passa pra ele não é a de que o ama. Mas a que ele não é capaz de fazer”.
    A gente pode orientar, ajudar, mas precisa deixar que eles tentem e façam. Quando eles deixaram a chupeta, por exemplo, eu dizia: você dá conta! Eles choravam e eu dizia: você dá conta!!! E não tem coisa melhor para a auto estima deles que perceber: eu dei conta!! Eles se acham o máximo!

    TL – Por fim, eu queria que tentasse me explicar o significado de ser mãe… Acredito que existem pessoas predestinadas, como você enxerga essa missão que Deus te deu?

    JM – Como alguém que tem a missão de educar e formar pessoas do bem! Com certeza Deus me ama muito! Porque me escolheu para ser mãe de 7!!

    julymendes2

    Fala se ela não é uma mulher maravilha? rs Inspiradora, com certeza!

    Ju divide sua rotina no instagram @julyana_mendes, é bacana acompanhar porque lá ela compartilha dúvidas, angústias, erros e acertos e vemos que ela é uma mãe real como outra qualquer que tem muito a aprender mas também muito a ensinar.

    Tem sempre uma boa dica de leitura para as crianças e um site ou blog que fale de assuntos interessantes na área para indicar.

    Vale a pena seguir! 🙂

    Ju, obrigada por ainda arrumar um tempinho pra falar comigo aqui no blog, amei muito! Aprendi também e desejo toda saúde e sorte do mundo pra você e para as crianças, que seu parto seja tranquilo e que logo logo possamos ter uma boa notícia com o nascimento da quarta Maria.

    Beijosss

    Leia também!

    Compartilhe

    1
    Comentário

    1 Comment

    1. Mariane

      31 de março de 2015 at 17:33

      Caramba! Tiro meu chapéu!!!!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Protected by WP Anti Spam